• Facebook Page: 100000238138589&ref=ts
  • Twitter: ifscgaspar

acesso informacao

Alunos apresentam contação de histórias PDF Imprimir E-mail

Após as aulas teóricas do curso FIC de “Contação de histórias como evento de letramento”, os alunos têm o desafio de colocar aquilo que aprenderam em prática. A proposta é transformar clássicos da literatura em contação de histórias e para isso vale a pena se transformar em lobo, vovô ou mesmo Emília por alguns instantes, como fizeram os alunos do curso do Câmpus Gaspar nos dias 3 e 10 de maio, quando foram promovidas contação de histórias para crianças, adolescentes e adultos.



“O curso de contação de histórias tem dois ciclos. Na primeira parte, discutimos questões teóricas como gêneros literários e conceitos da literatura. Nesta fase também, os alunos têm que se preocupar com questões como a faixa etária de quem irá assistir às apresentações e como será feita a captação desse público. Em um segundo momento, há todo um trabalho de expressão corporal e de uso de recursos cênicos”, explica a professora do Câmpus Gaspar Caroline Rauta.




Para a apresentação, o aluno Jian Reichert escolheu o conto “O gato preto” de Edgar Alan Poe para fazer a contação de histórias para adolescentes. “Eu sou administrador e resolvi fazer o curso porque queria agregar a contação de histórias ao trabalho que desenvolvo com música nas escolas. Meu foco é trabalhar com adolescentes e adultos e já tenho agendado contação de histórias que farei em escolas.”



A pedagoga Andreia Rogovski, de Ilhota, escolheu o público infantil para sua apresentação e se transformou na Emília. “Eu já trabalhava com contação de histórias, mas nunca havia feito um curso na área, vim para o IFSC em busca de novos conhecimentos. Este é também o primeiro curso que faço no Câmpus Gaspar.”



Essa turma do curso irá se formar no dia 17 de maio e a previsão é que a cada ano sejam ofertados novos cursos nesta área. Além da professora Caroline Rauta compuseram a equipe de trabalho do curso a professora Fernanda Trentini e a bibliotecária Cláudia Kautzmann.


Por Beatrice Gonçalves / Jornalismo IFSC

 

Para visualizar PDF você precisa do Adobe Reader: Clique aqui para baixar.